Manutenção

DRS Car – Serviços Automotivos

20 anos de experiência em mecânica automotiva

DRS Car – Serviços Automotivos - 20 anos de experiência em mecânica automotiva
Manutenção

Como evitar falhas no câmbio automático

câmbio automático

Fonte: Foxlux

Com o passar do tempo, muitos motoristas, estão optando pelo conforto de possuir um veículo com câmbio automático. No entanto, o que ainda intimida alguns condutores é o funcionamento e a manutenção desse sistema. É possível evitar falhas? Essa tem sido uma dúvida bem frequente antes de optar por um automóvel desse tipo.

Por isso, nós, da DRS CAR, vamos explicar como prevenir problemas que podem acontecer ao longo do uso. Confira abaixo!

A maneira de dirigir interfere na durabilidade

Os hábitos de condução interferem diretamente na durabilidade da transmissão. É bem comum que o sistema de transmissão tenha vida útil de 200.000 km, mas é importante destacar que, quando bem cuidado, o durabilidade pode ser ainda maior. Muitas vezes o câmbio funciona normalmente entre 5 e 8 anos, sem ter a necessidade de manutenção pesada.

Cuidados importantes

Por vezes, os condutores possuem vícios de direção que acabam atrapalhando a vida útil do câmbio. Para isso, listamos alguns dos maiores erros cometidos pelos motoristas:

  • Acionar o freio e confundir com o pedal de embreagem do manual;
  • Subir rampa em posição “D”;
  • Trocar de marcha quando o carro para no semáforo;
  • Trocar da “3ª” para “D” constantemente;
  • Trocar de “N” para “D”, e vice-versa, com o carro em movimento;
  • Utilizar freio de serviço em descidas longas.

Troca de óleo do câmbio

A lubrificação correta do câmbio automático é essencial para a conservação e bom funcionamento desse sistema. Esse óleo evita que as peças fiquem muito tempo em atrito, o que pode causar corrosão e desgaste, diminuindo a vida útil do câmbio como um todo. Por isso, é importante fazer revisões periódicas para garantir que está tudo correndo perfeitamente e, se necessário, realizar a troca do óleo.

O mais indicado é realizar a troca do óleo com máquina, que é um procedimento prático e seguro, garantindo uma troca mais eficiente, sem desperdício de óleo e com limpeza dos componentes. Essa troca deve ser feita sempre conforme as instruções do manual do fabricante, utilizando o óleo adequado para o seu veículo.

Você pode gostar também Óleo de câmbio automático: quando precisa trocar!

Viu como é possível tomar alguns cuidados no dia a dia e, assim, evitar falhas em seu câmbio automático? Não hesite em procurar a ajuda de um profissional especializado para cuidar do seu carro e identificar o que ele precisa. Nós, da DRS CAR, estamos a disposição caso você precise fazer uma revisão ou trocar o óleo com segurança. Entre em contato conosco e solicite o seu orçamento.

Manutenção

Como trocar pneu? Veja os cuidados mais importantes

troca de pneu

Fonte: HiperVarejo

É muito comum entre os motoristas ter algum tipo de imprevisto durante uma viagem ou até mesmo no dia a dia dentro da cidade. Por causa disso, o importante é que as pessoas estejam preparadas para qualquer tipo de problema que possa acontecer.

Um deles é a troca de pneu do carro, que pode causar dúvidas em muitos condutores. Justamente por causa disso é que nós, da DRS CAR, fizemos esse texto, para auxiliar você a entender sobre o processo de troca e os principais cuidados que você deve ter em relação aos pneus. Confira como é simples e fácil!

Antes de trocar um pneu…

Para que não aconteça imprevistos, uma boa dica é ficar de olho no estado dos pneus do seu veículo. Um pneu gasto ou em estado ruim é totalmente perceptível, já que os sulcos podem desaparecer e criar deformações na borracha.

pneu velho e pneu novo - troca de pneus

Fonte: Car Check

Esse tipo de anomalia pode significar que as peças de suspensão perderam sua eficiência ou a geometria está fora dos padrões, isso pode levar ao desgaste irregular dos pneus e até mesmo estourar. Para evitar esse tipo de problema é importante a realização da revisão programada, conforme a orientação do fabricante, para verificar o estado e eventuais manutenções necessárias.

Outra dica bem importante é verificar a pressão e a calibragem dos pneus com certa frequência, indicado a cada 15 dias. Sua irregularidade prejudica a vida útil do pneu, o que pode acarretar em trocas desnecessárias.

Trocando o pneu

Para trocar um pneu, o ideal é ficar de olho nos detalhes específicos e ter cuidados durante o processo. Veja só algumas dicas:

Sinalize que seu veículo está com problema

Se você tiver que trocar o pneu em uma estrada ou próximo a uma via movimentada, não esqueça de ligar o pisca-alerta e colocar o triângulo a uma distância segura para sinalizar que há um veículo com problemas a frente.

Apoie os pneus

Para evitar que o carro ande durante a troca do pneu, utiliza objetos pesados na frente das rodas para garantir segurança para quem está trocando o pneu e evitar qualquer tipo de acidente.

Use o macaco

Um dos pontos principais na troca do pneu é fazer o levantamento parcial do carro. A dica é conferir o manual de instruções do carro, pois neles geralmente há explicações corretas sobre o local exato para colocar o macaco no seu carro

Use a chave de roda

Não adianta levantar o carro e não ter a ferramenta certa para desparafusar as peças que prendem a roda no carro: a chave de roda. Ela é fundamental para retirar e colocar as porcas e os parafusos.

Depois de retirar essas peças, é feita a troca do pneu com problema pelo estepe, colocando os parafusos e as porcas de volta. Mas cuidado, certifique-se de que eles estejam bem presos para evitar acidentes!

Viu como é fácil trocar um pneu? Mas para evitar que esse tipo de imprevisto, garanta as devidas manutenções, entre elas geometria, balanceamento e rodízio. Isso evita a necessidade de troca de pneu no meio da suas férias, por exemplo. Para qualquer dúvida entre em contato com a DRS CAR e conheça nossos serviços!

Manutenção

Motor esquentando muito: o que pode ser?

Mecânico de uniforme azul mexendo no motor do carro

Fonte: Freepik

Algumas pessoas não levam esse assunto muito a sério, mas o superaquecimento do motor pode se tornar um problema grave e perigoso. Além de prejudicar o desempenho de um veículo, há o risco de danos irreparáveis no seu carro. E, pior ainda: pode oferecer risco a quem utiliza o veículo. Por isso é importante que todo motorista tenha noção das possíveis causas do motor esquentar, para então procurar ajuda.

Quer saber mais? Confira abaixo, então, sete problemas no seu carro que podem estar fazendo o motor esquentar muito!

1 – Termostato defeituoso

O termostato é responsável por manter constante o calor do motor e controlar para que a temperatura fique em um nível adequado para o bom funcionamento. Por isso, se o desempenho deste componente está comprometido, esse pode ser um dos motivos para o aquecimento, já que ele não irá identificar a temperatura correta do motor, impedindo a ventilação e liberação do líquido de arrefecimento.

2 – Falha na ventilação

A ventilação é um dos fatores mais importantes para manter o motor na temperatura ideal quando ele tende a esquentar demais. Por isso, se um ventilador estiver com algum tipo de defeito, ele influenciará diretamente no arrefecimento do carro, prejudicando o sistema que mantém a temperatura constante do motor.

3 – Problemas na bomba de água

Esse problema é bem fácil de entender: se a bomba de água está com algum defeito, ela não vai bombear o líquido pelo sistema de arrefecimento do seu veículo. Ou seja, não será possível resfriar o motor e ele acabará esquento muito mais do que o previsto.

4 – Tampa do radiador mal fechada

A tampa do radiador, quando mal fechada, pode ser um dos motivos do seu motor esquentar demais. Isso acontece porque a água e o vapor quentes acabam saindo pelas frestas, influenciando diretamente no motor do carro. Inclusive, esse pequeno problema também pode gerar aquela fumaça que sai pelo capô.

5 – Líquido de arrefecimento baixo

O superaquecimento do motor pode também estar ligado com nível baixo do líquido de arrefecimento no reservatório. Esse nível não é o problema em si, mas o indício de que algo está errado! Isso porque a água não evapora, ela deve apenas circular no sistema do carro. Portanto, quando o nível está baixo, indica que pode estar ocorrendo um vazamento em alguma parte do sistema ou até mesmo uma evaporação de água pela tampa. Vale conferir!

6 – Falta de óleo

Pode não parecer, mas o óleo também pode ser um dos fatores desse problema. Quando os componentes do motor estão mal lubrificados, seja pela falta de óleo ou pela baixa qualidade do produto, as peças começam a ter mais atrito e, consequentemente, gerar desgaste. Isso prejudica o desempenho do veículo como um todo e até mesmo provoca o calor excessivo. Portanto, lembre-se de cuidar o nível do óleo e escolher produtos de qualidade!

Confira mais em Óleo para motor: saiba como escolher!

7 – Mangueira defeituosa

Se as mangueiras do radiador não se encontram em boas condições, ou mesmo se possuem obstrução na passagem do líquido refrigerante, isto pode causar aquecimento. Uma maneira bem prática de verificar se o fluxo na mangueira está normal é cuidar se ela fica aquecida após o uso do carro. Se continua gelada, é um indicativo de que não está cumprindo seu papel.

Agora você já conhece algumas principais causas do aquecimento do motor, mas não adianta: a melhor forma de resolver o problema é procurar um profissional para verificar seu carro. Enquanto o problema não for resolvido, procure não usar o veículo para não piorar a situação. E para prevenir que o motor esquente, não deixe de fazer as revisões regulares do seu carro. Esperamos ter ajudado! E, lembre-se: para as manutenção do seu veículo, conte com os profissionais qualificados da DRS CAR!

Manutenção

Escolha do centro automotivo: 5 fatores que você deve considerar

Centro automotivo - saiba como escolher

Com certeza o seu carro é algo valioso para você, não é mesmo? Não só pelo dinheiro que você investiu – e investe nele -, mas pela importância que ele tem na sua rotina. É por isso que na hora de buscar um centro automotivo para fazer revisão ou até mesmo o conserto de algum problema, é preciso considerar alguns aspectos para garantir que você pode confiar no local escolhido. Confira abaixo!

1 – Tempo de mercado

Um fator que traz mais credibilidade para uma marca é o tempo de mercado. A lógica é bem simples: quanto maior for o tempo que a empresa está atuando nesse segmento, mais fácil é de verificar sua reputação e garantir que ela realmente entende do assunto.

A DRS CAR, por exemplo, tem uma experiência de mais de 24 anos no mercado automotivo, e os nossos clientes sempre comentam que esse é um fator muito importante na hora da escolha deles. Afinal, experiência comprovada transmite muito mais confiança!

2 – Qualificação técnica

O mercado automotivo é um segmento que está sempre aprimorando suas técnicas para conseguir acompanhar a evolução das tecnologias dos carros. Portanto, não adianta: é indispensável que os profissionais estejam em constante treinamento para saber resolver diferentes problemas.

Na DRS CAR estamos sempre buscando recursos para estar por dentro de novas tecnologias e assegurar o aprimoramento do conhecimento dos profissionais, realizando treinamentos com frequência sobre os serviços que oferecemos e até mesmo sobre formas de melhorar o atendimento. Para garantir que seu carro será bem cuidado, procure verificar se a empresa que você está considerando possui profissionais devidamente qualificados e atualizados. Assim, você evita possíveis problemas!

3 – Comprometimento com o meio ambiente

Vamos ser sinceros: todos nós desejamos que as empresas façam o que puderem para ajudar o meio ambiente, mas nem sempre priorizamos esse assunto na tomada de decisões. O segmento automotivo, por exemplo, trabalha com materiais que muitas vezes podem agredir o meio ambiente se não forem descartados corretamente, portanto, este é um item que deve, sim, ser priorizado na escolha!

Esse tema é tão importante que aqui, na DRS CAR, nós possuímos um depósito próprio para o descarte consciente dos materiais utilizados no nosso dia a dia. Separamos 100% dos itens (tubos de aerossol, peças de ferro e borracha, lâmpadas automotivas, resíduos perigosos como óleo e combustível, entre outros). E todos materiais descartados são recolhidos e levados para cooperativas especializadas!

4 – Estrutura física

Além do cuidado com o seu carro, é importante que a estrutura física do estabelecimento faça você se sentir à vontade. Muitas vezes, você vai precisar ficar sentado aguardando enquanto seu carro não fica pronto. Então um lugar limpo e organizado, com uma sala de espera bem equipada (com televisão, wi-fi, etc) faz toda a diferença!

Aqui na DRS CAR nos preocupamos bastante com isso pois acreditamos que é uma forma de respeito aos nossos clientes e de preocupação com o seu bem-estar, assim como cuidamos bem do seu veículo!

5 – Rede referenciada

Outro fator que garante que você pode confiar no centro automotivo é se ele for uma rede referenciada. Isso porque as grandes marcas de seguradoras de automóveis são exigentes ao escolher quais são os locais que irão representá-las e oferecer serviços como conserto e revisão.

Na DRS CAR, contamos com a Bandeira Porto Seguro, uma seguradora prestigiada que confia no trabalho realizado pelos mecânicos especializados do nosso centro automotivo.

Agora você já sabe quais são os fatores mais importantes para considerar na hora de escolher um centro automotivo. Lembre-se sempre que essa escolha deve ser feita com cuidado pelo bem-estar do seu veículo! Se quiser saber sobre os nossos serviços, acesse o site da DRS CAR e conheça um pouco mais sobre as nossas credenciais e especialidades.

Manutenção

Embreagem patinando? Entenda o que pode ser!

Embreagem patinando? Entenda o que pode ser!

Fonte: Car From Japan

A embreagem, além de permitir a troca de marchas, é o componente do sistema do carro que faz com que o motor funcione sem qualquer movimento do veículo. E por ser de extrema importância para o bom desempenho do seu carro, quando percebemos sinais estranhos (como a embreagem patinando, por exemplo) precisamos entender o que pode ser e buscar soluções. Quer saber mais sobre? Confira!

Como funciona o sistema da embreagem

Para entender a origem do problema, é importante saber de que forma o sistema da embreagem funciona. A embreagem fica entre o motor e a caixa de câmbio e sua principal função é transmitir a força para o funcionamento do veículo. O sistema é dividido em três partes:

  • rolamento;
  • disco;
  • platô.

Cada uma delas tem uma função específica e, juntas, “enviam” força do motor para a caixa de câmbio. Assim, a caixa de câmbio envia comandos para outros componentes do veículo, como as rodas. Além disso, a embreagem
também auxilia na diminuição de ruídos e da vibração gerada pelo motor, reduzindo o desgaste dos componentes.

Sinais da embreagem patinando e como evitar

Para realizar sua função, a embreagem precisa de força suficiente para desacoplar o disco do platô. Porém, muitas vezes há desgaste nesse disco, fazendo com que ele não tenha firmeza e acabe deslizando, ou “patinando”, como costuma-se dizer popularmente.

A sensação que o motorista tem, nesse caso, é de uma espécie de deslizamento no pedal da embreagem, trazendo dificuldades para a arrancada do carro e também na troca de marchas. Esse problema pode ser causado por vários motivos, sendo os mais comuns por contaminação de resíduos (óleo ou graxa) no disco ou por mau uso.

No caso da contaminação de resíduos, a prevenção é realizar as revisões periodicamente, conforme recomendação do fabricante, para verificar o estado dos componentes. Mas, no caso do mau uso, há alguns cuidados que você pode ter para evitar problemas, como:

  • não realizar saídas bruscas com o veículo;
  • usar o ponto morto no trânsito;
  • tomar cuidado para trocar marchas com a velocidade correta;
  • não dirigir com o pé apoiado na embreagem;
  • não segurar o carro na embreagem em subidas.

Agora que você já sabe da importância que a embreagem tem para o funcionamento do seu carro, lembre-se de buscar auxílio profissional assim que esses sinais surgirem. Muitas vezes esse é um problema que compromete todo o kit da embreagem, sendo necessário trocá-lo. Precisando de ajuda, não deixe de entrar em contato conosco! Aqui na DRS CAR contamos com uma equipe de profissionais especializados prontos para resolver os problemas do seu veículo!

Manutenção

Filtro de combustível sujo: sintomas e quando trocar

Filtro de combustível sujo: sintomas e quando trocar

Fonte: Fuel Pump

A principal função do filtro de combustível é evitar que a sujeira do álcool, gasolina ou diesel entre no motor do seu automóvel. Não é preciso nem dizer que quando esse filtro acaba ficando sujo demais ou até mesmo entupido, isso pode prejudicar o funcionamento do veículo. Por isso, é importante conhecer os principais sintomas do filtro de combustível sujo e ficar sempre atento para evitar problemas!

Para te ajudar, nós, aqui da DRS CAR, separamos abaixo quais são esses indícios de que o seu filtro está sujo e como saber que chegou a hora de realizar a troca!

Para que serve o filtro de combustível?

Talvez você não saiba, mas o filtro de combustível é muito importante para o bom funcionamento de qualquer carro. Como o próprio nome diz, ele filtra e retira as impurezas que existem no combustível e nos tanques de estocagem e não deixa a sujeira chegar ao motor, nem entupir os bicos injetores ou queimar a bomba de combustível.

Isso tudo faz com que o filtro de combustível ajude a melhorar o rendimento do motor e também a evitar danos ao meio ambiente, já que o combustível é purificado ao passar por esse componente.

Sintomas do filtro de combustível sujo

Existem alguns sintomas que podem indicar que o filtro de combustível está sujo, prejudicando as funções que você viu acima. Preste atenção em situações como:

  • Marcha lenta ou irregular: se o veículo está circulando apenas em marcha lenta ou demonstra falhas na aceleração, isso pode indicar que o combustível está fazendo uma alimentação incorreta no motor;
  • Dificuldades para arrancar o carro: no caso de dificuldades no arranque, pode ser que a gasolina não esteja passando corretamente pelo filtro, portanto é preciso conferir se não há entupimento ou sujeira;
  • Ferrugem: encontrar ferrugem no filtro de combustível não é um bom sinal, já que ela pode causar vários danos ao sistema de injeção do carro.

Quando trocar o filtro de combustível?

O recomendado é que, depois de identificar um ou mais desses sintomas, você procure trocar o filtro de combustível do seu veículo. Mas lembre-se: essa troca deve ser feita por um profissional qualificado! Isso vai garantir que o serviço seja bem feito e evitar que futuros problemas ocorram, deixando você mais seguro com o seu carro no dia a dia.

Mesmo que o seu carro não apresente nenhuma dessas dificuldades, a troca é recomendada a cada 10 mil quilômetros rodados, ou conforme as recomendações do fabricante, que podem ser encontradas no manual do proprietário.

Uma dica importante é que você procure sempre abastecer o seu carro com combustível de qualidade para evitar problemas no filtro. Prefira utilizar combustível sem chumbo ou com baixo índice de octanas.

Agora que você já sabe a importância de manter o filtro de combustível do seu carro sempre em dia, saiba mais sobre o serviço de Troca de Filtros da DRS CAR! Faça um orçamento e conte com profissionais qualificados!

Manutenção

O que é injeção eletrônica? Entenda como funciona!

O que é injeção eletrônica? Entenda como funciona.

Fonte: Clifford Thames

A injeção eletrônica é um componente que auxilia a diminuir a emissão de poluentes e a trazer mais economia no consumo de combustível. Por isso, hoje em dia, ela é obrigatória em todos os veículos brasileiros. Apesar dessa importância, muitos motoristas ainda não entendem bem o seu papel e funcionamento.

Pensando nisso, nós, aqui da DRS CAR, resolvemos trazer uma explicação bem completa sobre o que é injeção eletrônica e como ela funciona. Confira!

O que é injeção eletrônica?

A injeção eletrônica é o sistema responsável pela alimentação de combustível e controle dos componentes eletrônicos do motor durante o funcionamento do carro. Com essas funções, é capaz de fazer com que seja enviada ao motor apenas a quantidade necessária de combustível, tornando a mistura de combustível e ar (chamada de mistura estequiométrica) mais eficaz nas faixas de rotação (voltas por minuto de um motor).

Como funciona a injeção eletrônica?

Todo o funcionamento inicia pela ECU (Unidade de Controle do Motor), que controla tudo o que acontece na injeção eletrônica. O sistema é composto por dois principais itens, os sensores e os atuadores, como explicaremos melhor abaixo:

  • Sensores: através de sensores espalhados pelo motor, o sistema faz a leitura das condições do ambiente e do próprio motor, e depois analisa as informações. Isso tudo fica gravado na memória e, a partir do que se observa, são enviados comandos para os atuadores do motor.
  • Atuadores: estes, então, recebem os dados que foram enviados pela unidade de comando e atuam diretamente no sistema. Sua finalidade é controlar o volume de combustível que o motor recebe, o ponto de ignição e a marcha lenta.

É a partir de todo esse processo, feito repetidas vezes por minuto, que o rendimento do carro e a economia no consumo são aumentadas, tendo menor emissão de gases poluentes.

Você sabia?

O sistema de injeção eletrônica foi criado para substituir os antigos carburadores. Isso porque eles eram menos eficazes na realização das suas funções e traziam um impacto muito mais negativo para o meio ambiente. É por isso que a indústria automotiva adotou a injeção eletrônica de vez e agora ela é obrigatória em todos os veículos fabricados.

E a manutenção do sistema?

Muitas vezes, mesmo com problemas na injeção eletrônica, o carro continua funcionando sem dar sinal de que algo está ocorrendo. É aqui que entra a dica de estar sempre atento ao seu veículo! Por isso, cheque com frequência a luz de injeção eletrônica no painel do carro, pois ela pode ser um indicativo de problemas mais sérios.

Saiba o que fazer quando a luz da injeção eletrônica acende!

Fora esses casos mais urgentes, nas revisões programadas – que devem ser feitas a cada seis meses ou 10 mil quilômetros – normalmente se é verificado o sistema de injeção eletrônica. E uma recomendação para evitar futuros problemas é utilizar combustível de qualidade!

Agora que você já sabe o que é injeção eletrônica e entende o seu funcionamento, basta ficar atento ao painel e sempre fazer as revisões no tempo recomendado pelo fabricante. Conte com a DRS CAR para deixar o seu carro na mão de profissionais qualificados!

Manutenção

Suspensão de carros: como funciona e quando trocar?

Supensão de carros: Como funciona?

Fonte: Autoportal

A suspensão dos carros é um mecanismo com componentes responsáveis pelo bom desempenho do veículo nas ruas e estradas. Como, por exemplo, manter a estabilidade, evitando as trepidações e oscilações, e garantir que as rodas permaneçam em contato com o solo. Mas você sabe exatamente como funciona esse sistema?

Abaixo, explicamos melhor sobre o funcionamento da suspensão e seus componentes, além de ajudar você a entender quando chegou a hora de trocar cada um deles. Confira!

Como funciona a suspensão?

Para começar, tenha em mente que, para cada modelo de veículo, existe um tipo de suspensão. Ao todo, são três opções:

  • Suspensão independente: cada uma das rodas sofre os impactos das irregularidades do solo de forma isolada, sem repassar para outra do mesmo eixo;
  • Suspensão semi-independente: uma parte dos impactos é transferida de uma roda para a outra;
  • Suspensão dependente: os movimentos de uma roda são compartilhados com a outra do eixo.

Sabendo sobre esses modelos, agora é interessante entender quais são as peças que compõem as suspensões, para que elas servem e quando é necessário a troca de cada uma:

Suspensor e o quê compõe

Molas e amortecedores

As molas e amortecedores têm suas funcionalidades interligadas. No caso da mola, além de ser flexível para impedir que as irregularidades afetem o desempenho, ela influencia na altura do carro. E o amortecedor é essencial para atuar em conjunto com as molas para suavizar os impactos e estabilizar o veículo.

Como vemos na imagem acima, temos o coxim do amortecedor, que serve ainda para sustentar esse componente e fixá-lo no carro.

Braço Oscilante e Pivô de Suspensão

O braço oscilante, também conhecido como bandeja ou balança de suspensão em alguns modelos, é o componente responsável por apoiar a coluna da suspensão, que é articulável. Já a função do pivô é auxiliar o movimento (sobe e desce) da coluna de suspensão, ou seja: ele colabora com o bom desempenho do braço oscilante.

Barra Estabilizadora

A barra estabilizadora liga uma coluna de suspensão até a outra, sendo presa à carroceria por buchas e às colunas por bieletas (hastes que ligam a barra estabilizadora à suspensão do veículo). Isso ajuda a equilibrar o carro e evitar acidentes em retas e curvas com alta velocidade.

Como saber o momento certo de realizar a troca?

Em geral, a revisão para troca ou manutenção dos componentes desgastados da suspensão é feita quando o veículo atinge os 40 mil quilômetros rodados, ou conforme a recomendação do fabricante. Geralmente, o motorista deve ficar atento a possíveis barulhos e ruídos vindos da suspensão, pois isso também serve como indicativo de que algo está errado e precisa de uma revisão.

Além disso, existem alguns sinais específicos que podem indicar problemas em um ou mais componentes da suspensão, como por exemplo:

  • Mola e amortecedor: quando o carro apresenta falha na estabilidade ou aparentar estar mais baixo do que antes, é um sinal de que está na hora de trocar um desses componentes (ou ambos).
  • Braço oscilante: é interessante observar se algo está diferente ao manejar a direção (principalmente ruídos ao mexê-la). Isso pode indicar que as buchas (que ligam o braço a carroceria) podem estar gastas ou danificadas.

Pela importância do sistema de suspensão para o bom funcionamento do seu carro, é recomendado que se faça revisões preventivas para garantir que está tudo certo. Quer saber mais sobre o serviço? Então confira esse conteúdo sobre O que é Revisão Automotiva e entenda os cuidados que oferecemos aqui na DRS CAR para deixar seu automóvel sempre em dia e manter a segurança da sua família!

Manutenção

Como escolher o pneu ideal para o meu carro?

Como escolher o pneu para o seu carro?

Fonte: Freepik

Os pneus são fundamentais para a dirigibilidade, mas principalmente para a segurança dos veículos. Isso porque é a partir deles que a estabilidade e frenagem acontecem de forma correta. E, como são as peças que entram em contato direto com o solo, se desgastam mais rapidamente, precisando de revisões e trocas periódicas.

Para cada veículo, há algumas especificações importantes, por isso vamos mostrar como escolher o pneu ideal para o seu carro. Confira!

Antes de tudo, entenda as informações do pneu

Talvez você não saiba, mas todos os pneus trazem um código de letras e números escrito na sua estrutura. Esse código descreve várias informações, entre elas o tipo de pneu e os seus limites. É muito importante saber ler e entender essa informações para realizar a compra certa.

Como ler o código

Como ler o código

Fonte: Linkedin

Essas letras e números, demonstradas na imagem, ficam em relevo no próprio pneu, basta procurá-las perto da roda. Entenda o que significa cada parte do código a partir do exemplo ilustrado acima:

P – A primeira letra significa em que tipo de veículo o pneu pode ser usado. A maioria dos pneus vem com a letra P, que significa “passengers”. Ou seja, é um veículo de passeio (aqui se enquadram carros, minivans, pick-ups leves e algumas SUVs). Ainda existem outras letras como:

  • ST (Special Trailers), para reboques que transportam barcos ou jet-skis e para motorhomes;
  • C (Comercial), para caminhões ou vans que carregam cargas muito pesadas;
  • LT (Light Trucks), para caminhões leves, vans, furgões e SUVs.
  • T (Temporary Spare), para servir de estepe, pois são mais finos e rodam poucos quilômetros.

175 / 70 – O número que vem logo após a letra informa o tamanho do pneu. O 175 significa a largura (sempre em milímetros) e o 70, que vem depois da barra que separa os dois números, indica que a altura do pneu tem 70% da sua largura. Logo, dependendo do número, é só fazer a conta!

R – Essa letra significa de que forma o pneu foi fabricado. Nesse caso (e na maioria, pois é raro se usar outro tipo), a construção foi radial.

14 – Aqui se fala do raio da roda, sempre em polegadas. É importante dar muita atenção a esse número e comprar o pneu com o raio correto. No Brasil, os mais comuns são 13, 14, 15, 16 e 18.

86V – Por fim, a última parte do código indica os índices de carga e velocidade, respectivamente. Isso mostra a carga que o veículo pode carregar e a velocidade máxima a que ele pode ser submetido. Esses índices podem ser entendidos a partir das tabelas abaixo:

Indice de carga e velocidade

Fonte: DocPlayer

Indice de velocidade

Fonte: DRSCAR

 

Como escolher?

Como escolher o pneu ideal para seu carro

Fonte: Freepik

A partir das informações que você verificou acima, você já sabe que são várias especificações que influenciam na escolha do pneu certo. Por isso, na hora de escolher, verifique as especificações dos pneus originais do seu carro e adquira os novos com a mesma especificação.

Para fazer a compra certa, confira Qual a melhor marca de pneu?

Lembre-se: escolher o pneu ideal para o seu carro faz total diferença, tanto para o seu próprio conforto ao dirigir, quanto para a sua segurança e de todos os passageiros, por conta da estabilidade e frenagem.

Agora basta conferir qual a melhor marca de pneu para fazer a escolha certeira e equipar o seu veículo com performance e muita qualidade! Boa sorte!

Manutenção

O que é revisão automotiva?

Coisas importantes para se fazer na revisão

Fonte: RP10

A revisão automotiva, bastante conhecida como revisão programada ou revisão com preço fixo, é como uma manutenção preventiva. É nesse momento que se faz a verificação de diversos itens importantes para o bom funcionamento do carro, principalmente em relação aos parâmetros que o fabricante orienta.

Para que você entenda melhor como funciona todo esse processo, nós, da DRS CAR, trouxemos algumas informações valiosas para você ficar atento. Confira!

Qual a importância da revisão?

Já pensou em quão desagradável é ficar empenhado a caminho de um compromisso de trabalho importante ou até mesmo durante uma viagem de férias, que deveria ser relaxante? É para isso que serve a revisão: conferir se tudo está funcionando corretamente no automóvel, prevenindo imprevistos como esses.

A partir do uso do veículo, é natural que as peças se desgastam ao longo do tempo e ocorram algumas falhas no funcionamento. Afinal, tudo tem vida útil e prazo de validade. Por isso a importância de uma revisão completa e criteriosa regularmente.

O indicado é que se faça revisões periódicas, em uma média de a cada 10 mil quilômetros rodados ou seis meses de uso do veículo. Portanto, fique atento, principalmente se você usa muito o seu carro!

Quais itens são revisados?

Durante as revisões automotivas, vários itens são verificados, variando conforme o pacote contratado pelo cliente e a quilometragem rodada. No entanto, a maioria das concessionárias checam somente o que está no manual do fabricante.

Mas aqui, na DRS CAR, vamos além do que o fabricante recomenda. Sempre fazemos a revisão o mais completa possível, pois acreditamos na excelência e que só assim a segurança máxima é garantida.

Começamos com um check-up completo, que verifica todos os itens, não só os previstos no manual do fabricante. Os principais são:

  • suspensão;
  • freio;
  • injeção eletrônica;
  • motor;
  • câmbio;
  • iluminação;
  • sistema de ar-condicionado;
  • pneus;
  • bateria;
  • escapamento.

Caso haja alguma manutenção para ser feita, o orçamento é passado para o cliente, para que haja uma autorização para realizar o processo. Confira os principais serviços:

  • troca de óleo com filtro;
  • higienização e troca do filtro do ar-condicionado;
  • geometria e balanceamento;
  • limpeza do sistema de alimentação do combustível;
  • troca do filtro de combustível;
  • cristalização do para-brisas;
  • anel de vedação;
  • scanner.

Saiba mais sobre os serviços oferecidos na Revisão Programada DRS CAR!

Além de poder optar pela revisão mais que completa e toda essa gama de serviços, você vai se sentir seguro com nosso serviço de garantia confirmada. Os próximos três meses ou 10.000 quilômetros têm assistência com cobertura nacional em qualquer Centro

Automotivo Porto Seguro (CAPS).

Lembre-se, também, que a revisão deve ser feita por profissionais qualificados, como os da equipe DRS CAR. Aqui você conta com um atendimento ágil, pois não precisa marcar horário, e de qualidade, feito por especialistas. Peça um orçamento e faça sua revisão programada!